segunda-feira, 11 de maio de 2009

PER ENGANADOR

O ano passado publiquei um artigo onde explicava a reduzida utilidade do PER (ver "PER"). A principal fragilidade invocada na altura foi o facto do PER ser dependente do EPS (Ganho por Acção) e que este era um dado do passado.

As 2 variáveis das quais depende o PER (cotação e EPS) são altamente voláteis, o que complica ainda mais as análises baseadas neste indicador. Assim sendo, o PER pode subir mesmo com a cotação a descer, bastando para isso que o EPS desça a um ritmo mais elevado que a cotação ou, pura e simplesmente, a empresa dê prejuízo. Apesar de menos provável, existe também a possibilidade do PER descer mesmo com a cotação a subir, bastando para isso que o EPS suba a um ritmo mais elevado que a cotação...

Mas vamos ser pragmáticos e explicar, através do seguinte exemplo, porque o PER é um indicador enganador e, por isso, pouco útil:

  1. A empresa X teve em 2008 um EPS de 1€ e, em 31 de Dezembro 2008, cotava a 15€. O seu PER era de 15;
  2. Em 2010, a mesma empresa X teve um EPS de 1,25€ e, em 31 de Dezembro 2010, cotava a 25€. O seu PER era de 20;
  3. Em 2012, a mesma empresa X teve um EPS de 1,5€ e, em 31 de Dezembro 2012, cotava a 20€. O seu PER era de 13.3.

Ou seja, apesar da empresa X ter um PER superior em 2008 (15) do que em 2012 (13.3), teria sido preferível comprá-la em 2008 pois, para além do preço de aquisição ser inferior, o investidor ainda recebia os dividendos durante esses 4 anos!

Votos de uma boa semana,

Dax Speculator