quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

AS CRISES EVITAM-SE

Hoje irei procurar responder à pergunta que milhares de CEO's, políticos, economistas, analistas, jornalistas, corretores, gestores de fundos... querem ver respondida: como acabar com esta grave crise?

Haverá certamente muitos interessados em licitar acima da fasquia de 1 milhão de euros para obterem uma solução para esta crise mas, infelizmente, não existe qualquer tipo de solução. Este tipo de crise não se resolve, evita-se porque, depois de iniciada, é como uma avalanche de neve. Os governantes, reguladores e presidentes de bancos centrais um pouco por todo o mundo ainda não devem ter percebido bem isso. Dá-me vontade de rir quando estes dizem que vão conseguir relançar a economia ("jump start the economy") ou arranjar a economia ("we are going to fix it"), como se de um simples motor automóvel se tratasse...

E porque não se consegue resolver este tipo de crises? Eis os principais motivos:
  1. As bolhas imobiliária, do crédito e dos mercados accionistas irão - tal como aconteceu no passado - sobre corrigir, ou seja, indo muito abaixo dos valores médios históricos;
  2. Existe sobre capacidade à escala global em todos os seguintes sectores: produtivo, tecnológico, telecomunicações e retalho e até mesmo nalgumas áreas do sector de serviços;
  3. Este tipo de crise é estrutural, avassaladora e "alimenta-se" a ela própria da seguinte forma: menos crédito e menores patrimónios mobiliários e imobiliários produzem menos consumo, o que origina menos investimento e mais desemprego. Menos investimento e mais desemprego levam a menos crédito e consumo e por aí em diante...;
  4. O sector público será actualmente responsável, no máximo, por uns 35% do PIB global, representando o sector privado, no mínimo, os restantes 65%;
Assim, o máximo que os governos irão conseguir será uma desaceleração dos efeitos negativos que esta crise está a ter na economia, no investimento e nos empregos. Conseguirão um efeito de para-queda, nada mais. Contudo, é bom que os governos estejam a fazer algo para combater a actual situação mas não se deve ter falsas esperanças: a crise resolver-se-á a ela própria através do famoso processo económico de "destruição criativa"...

Um bom final de semana,

Das Speculator