quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Memórias curtas

Liam Halligan, do Telegraph, procura no seu último artigo refrescar as ideias àqueles que têm memória curta tais como políticos, governadores de bancos centrais, entre outros. Liam conseguiu encontrar um discurso, datado de 1976 e da autoria de James Callaghan, que deveria na minha opinião ser uma referência da história económica.

Mas esse discurso é ainda mais admirável vindo de quem veio e mesmo tendo sido proferido depois do Reino Unido ser resgatado pelo FMI quando James Callaghan era na altura primeiro ministro e líder do Partido Trabalhista Britânico (mais ou menos o nosso PS). Foi de certa forma um assumir dos erros. Actualmente os nossos líderes políticos - bicéfalos ou não - nunca assumem quaisquer erros pois humildade é coisa que desconhecem. Já em inteligência, rigor e sentido de estado não chegam sequer aos calcanhares dos políticos daquela geração de 1970/80. Que o diga José Trocas-te que foi primeiro ministro do nosso Tugaspark Portugal e que, na altura, certamente não tinha conhecimento de tão rico e refrescante pensamento vindo da parte de um antigo colega de trincheiras.

Enfim, eis os destaques do discurso, traduzido para Português:

"Nós costumávamos pensar que podíamos sair da recessão gastando mais e aumentar o emprego aumentando os gastos do governo."

"Digo-vos, com toda a franqueza"
, continuou ele, "que essa opção já não existe. E na medida em que alguma vez existiu, só funcionou em cada ocasião...  injectando uma dose maior de inflação na economia, seguido por um nível mais elevado de desemprego como próximo passo..."

Ver também:

A message from the 1970s on state spending
Leader's speech, Blackpool 1976

Cumprimentos deskeynesiados,

DS