quinta-feira, 4 de março de 2010

Bill Gross: Não interessa

O último "Investment Outlook" de Bill Gross é claro: conversa não interessa para nada e muito menos aos investidores em obrigações pois estes querem é ver acção.

Destaques para os seguintes parágrafos:

"Para começar, vamos relembrar o problema fundamental da economia actualmente - a falta de procura agregada a nível global - e como chegamos onde estamos hoje"


"E se - para colocar a questão de uma forma simplista - não for possível sair de uma crise da dívida, criando mais dívida?"

Aqui não resisto em fazer um comentário: o Japão já sabe a resposta a essa pergunta pois tem tentado isso nos últimos 20 anos e ainda não conseguiu!

"As ajudas e garantias dos governos, tais como aqueles aprovados e previstos no Dubai e na Grécia, assim como aquelas dos últimos 18 meses com bancos e grandes empresas industriais em todo o mundo, sugerem uma maior homogeneidade no mercado obrigacionista. Se os países soberanos, como os E.U.A, Alemanha, Reino Unido e Japão absorverem mais e mais risco de crédito é natural que, em seguida, os spreads e as taxas de juro destes países deverão parecer cada vez mais com os mercados que garantem"

"Apenas no caso de as economias globais tropeçarem e revisitarem as profundezas da recessão do ano passado, deverá este processo inverter a marcha e seguir em sentido inverso, colocando as Bonds e as Gilts novamente no assento do motorista."

Isso será verdade para  a generalidade das obrigações governamentais, com as óbvias excepções da Grécia, Dubai, Islândia, Ucrânia, entre outros...

Cumprimentos,

Dax Speculator