quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

O que descontam os mercados?

Como já tive oportunidade de referir aqui no blog, os mercados são máquinas de descontar o futuro. O presente não lhes interessa muito pois já estará descontado.

Por isso a maior parte das notícias, quer sejam boas ou más, têm pouco impacto na tendência dos mercados. A maior parte das vezes, essas notícias influenciam os mercados apenas por algumas horas. Apenas as notícias menos esperadas têm um impacto que pode durar alguns dias ou semanas...

Por isso as 2 questões que se põem actualmente são:

  1. O que descontam os mercados? 
  2. Estarão a descontar acertadamente?


Responder a essas 2 questões é a chave para prever a evolução futura das bolsas. Pela minha experiência, os mercados estão a descontar que a crise da dívida soberana Europeia está contida e que não será suficiente para afectar a actividade económica global. No entanto, sou da opinião que os mercados estão mais uma vez errados como estavam em 2007, na altura em que o fenómeno do "subprime" estaria supostamente contido (famosa frase de Ben Bernanke)...

Desta vez, os mercados não parecem ter tantas certezas mas, a julgar pelas seguintes declarações, continua a haver muita complacência:

Conclusões da "Joint hearing before the subcommittee on domestic monetary policy and technology and the subcommittee on international monetary policy and trade of the committee on financial services u.s. house of representatives one hundred eleventh congress"... (Ugh...só o nome arrepia), em que só alguns observadores acreditam que a crise soberana Europeia poderá fazer mossa:

"...
Some observers believe that the European debt crisis, if left unaddressed, could threaten the nascent U.S. economic recovery by shattering confidence and disrupting credit flows to businesses and consumers, and that it could put upward pressure on interest rates.
..."

Mas, mais recentemente, Ben Bernanke ao congresso Americano:

"...Certainly parts of Europe are in recession. Whether the Eurozone itself goes into recession remains to be seen... Exports to Europe are about 2% of GDP, it's not totally make or break but it could be an influence..."

E as exportações dos mercados emergentes para a Europa, Ben? Essas não contam para a economia Americana, pois não? :-)


Cumprimentos.

DS

Enviado do meu telemóvel Nokia