terça-feira, 5 de abril de 2011

Sócrates não quer nome associado ao FMI

Penso que já deu para perceber que a prioridade do governo é descartar-se a todo custo da vinda do FMI para Portugal. Para tentar atingir esse objectivo, Sócrates não se importa de andar na pedinchice com as autoridades Brasileiras e Chinesas. Aliás, foi graças a estes 2 países que Portugal ainda conseguiu aceder aos mercados de dívida na semana passada depois de Bruxelas ter obrigado o INE a rever o défice em alta para 8.6%, bem acima da meta do governo de 7.3%.

Como a maioria dos Portugueses não são economistas, não sabem que a vinda do FMI é já inevitável. Sócrates sabe isso e aproveita para atirar mais alguma areia para os olhos - que tal como os Irlandeses, choram - do povo Português. Resta é saber se o primeiro ministro demissionário irá conseguir continuar esse jogo até às próximas eleições, no dia 5 de Junho, pois a actual situação é de total ruptura financeira. Ainda hoje, o jornal de notícias divulga que há grandes dificuldades de tesouraria no metro do Porto, cuja dívida ascende aos 2400 mil milhões de euros...

Votos de uma boa semana,

Dax Speculator

--
Enviada a partir do meu dispositivo móvel