sexta-feira, 20 de junho de 2008

ENTREVISTA A JEREMY GRANTHAM

Estava a ler uma entrevista que Jeremy Grantham deu recentemente ao Canadiano "The Globe and Mail" e pareceu-me interessante traduzir as partes mais relevantes para Português. Quem quiser ler a entrevista original e em Inglês pode fazê-lo aqui. Eis a parte da entrevista que considero mais interessante traduzida:

Jeremy Grantham, um reputado investidor orientado para a análise ao valor (análise fundamental), reconhece sempre uma bolha e sabe bem quais os riscos associados a estas - às vezes com grande custo inicial. Na altura da bolha da Internet na década de 1990, a GMO, uma gestora de gestores de fundos com base em Boston, perdeu cerca de 45 por cento dos seus fundos sob gestão quando os investidores procuraram empresas com estratégias mais sexys. É claro que a sua sólida análise e avaliações do risco foram depois validadas e seus clientes mais fiéis foram muito bem recompensados.

Em 2006, o Sr. Grantham, cuja empresa administra cerca de 145 bilhões (US Dollar), alertou que a implosão do mercado mundial de crédito estava para breve. E ele não tem visto nada desde o início do cataclismo creditício do ano passado que o convença que o pior já terá passado.

Tem vindo a estabelecer comparações entre o que está acontecendo hoje e o que aconteceu no início da Grande Depressão.

Estamos numa fase semelhante à de 1929-30, onde tivemos um choque para o sistema. Mas os efeitos secundários - menor consumo, as margens de lucro mais baixas, menor PIB, menor emprego, o comércio global mais baixo - estão a começar a repercurtirem-se através do sistema. Eles (os efeitos secundários) têm vindo a ser mais ou menos ignorados porque ainda são bastante reduzidos. Demora cerca de 1 ano, 18 meses ou até mais tempo para que alguns destes efeitos comecem a aparecer.

Portanto não vai haver melhorias, nem de curto prazo então?

É muito difícil torturar a economia, pensar que pode espremer a liquidez, ver o seu maior bem - a habitação - duramente atingida com desvalorizações de 15% e, depois, talvez mais 15% e tudo isso numa sociedade sobre-alavancada, sem ter um efeito negativo sustentado de uns 2 ou 3 anos. Tenho certeza que teremos esse efeito negativo.

No entanto o mercado de acções não parece concordar. Os investidores estão tratando isso como um problema de curto prazo que será brevemente corrigido.

Eles [Wall Street] odeiam qualquer coisa negativa. E tudo isso cresceu junto com o risco moral e o da crise de crédito. Eles têm uma quase patológica aversão a uma opinião negativa, mesmo que honesta, o que em si é um triste estado de coisas. Mas o que nunca chega aos mercados são longos atrasos (os mercados apercebem rapidamente de qual será o estado de coisas num futuro de 3 a 6 meses e descontam logo).

E o que é que pensa que finalmente irá persuadir os mercados accionistas?

Os dados fundamentais. Pode não ser no próximo mês porque as pessoas cometem um erro sistemático sobre a forma de tratar o dólar fraco (US Dollar), que afecta 45% dos rendimentos do S & P 500 que vêm do exterior.

Pode dar-nos um exemplo de como os lucros estão a ser mal interpretados?

Se o dólar cair 18% em relação ao euro, em seguida todos os seus lucros na Alemanha são valorizados em 18% na rúbrica de ganhos cambiais. Bang, tão simples como isso. Digamos que você tem 6% e um crescimento natural em 18% valorização cambial. Você tem um aumento de 24% proveniente da sua filial Alemã. No próximo ano, os 6% podem descer apenas para uns 4%, mas o dólar valorizou-se… e o seu crescimento é zero.

Fonte: Brian Milner, The Globe and Mail, 17 de junho de 2008.

PS: acrescentei recentemente 2 novas funcionalidades:

  1. Uma lista de etiquetas do lado esquerdo e mais ao menos a meio do blog para ser mais fácil encontrar mensagens relacionadas com determinado assunto;
  2. Uma playlist (lista de músicas) também do lado esquerdo e um pouco abaixo das etiquetas, que começa com músicas de Andrea Bocelli mas que irá variando de modo a tornar a "estadia" no blog mais relaxada. Espero que gostem... ;-)

Bom fim-de-semana,

Dax Speculator